Notícias

Como as crianças aprendem?

As crianças têm o direito a conviverem, a brincarem, a participarem, a explorarem, a expressarem-se e a conhecerem-se. 

Meninos e meninas que têm tempo e espaço para brincar, com uma abordagem que preza a liberdade, sentem-se valorizadas em suas descobertas e potencialidades, além de construírem um percurso criativo que possibilita uma aprendizagem verdadeiramente significativa.

O brincar é o cenário e a forma como a criança vive, experimenta, interpreta e participa dos espaços sociais. Quando a criança brinca ela lida com seus sentimentos, com seus medos e alegrias, ela entra e sai de diferentes papéis e assim se desenvolve. Brincando, ela, se constituem, percebem-se como únicas através do reconhecimento do outro.

As crianças conhecem o mundo à sua volta por meio das descobertas que fazem a partir de explorações e investigações de diferentes objetos. É importante que as crianças tenham oportunidades diversas de exploração de diferentes objetos: individualmente, em duplas, trios ou pequenos grupos; no espaço da sala, organizado de forma a desafiá-las e atraí-las em suas investigações; e no espaço externo, sensibilizadas pelos diferentes elementos da natureza e a diversidade de formas possíveis de explorar. Elas aprendem sobre a linguagem de forma processual, quando imersas em contextos nos quais se envolvem de maneira ativa na tentativa de comunicar seus desejos, suas necessidades, seus pensamentos, seus sentimentos e sua opiniões.

As crianças se expressam e se comunicam por meio do corpo, do movimento, da dança, da mímica, do som, da música, de esculturas, de desenhos ou do teatro. Movimentando-se, meninos e meninas aprendem a medir sua força, adequar os movimentos de seus dedos e exercitar sequências e padrões de movimentos são desafios importantes nesse momento de suas vidas. E, na interação com seus pares e com adultos, aprendem sobre a convivência em grupo e o cuidado com as relações.

As crianças são naturalmente curiosas, engajada na pesquisa, experimentadoras da natureza, investigadoras ativas e capazes de realizarem, de inferirem ideias e pensamentos. Sujeitos críticos e protagonistas do seu percurso criativo.